25 de maio

  • Dia da Indústria
  • Dia do Trabalhador Rural
Nascimento
Outros fatos


1901 — Nasce Alcântara Machado

O político e escritor Antônio Castilho de Alcântara Machado D’Oliveira nasceu em 25 de maio de 1901, na cidade de São Paulo. Originário de uma família ilustre, formou-se em Direito em 1924, mas não exerceu a profissão. Trabalhou como jornalista e chegou ao cargo de redator-chefe do Jornal do Comércio.

Em 1925 foi para a Europa e de lá trouxe uma série de reportagens e crônicas que resultariam no seu primeiro livro, Pathé-Baby (1926), obra prefaciada por Oswald de Andrade. No mesmo ano, fundou a revista Terra Roxa e Outras Terras, junto com Couto de Barros.

Na obra Brás, Bexiga e Barra Funda, publicada em 1928, o prefácio comum foi substituído por um texto intitulado ‘Artigo de fundo’, diagramado em colunas, como uma página de jornal. Essa introdução revela uma característica fundamental de Alcântara Machado: frases curtas e claras, em linguagem muito próxima à usada no jornalismo.

Junto com Oswald de Andrade, fundou a Revista da Antropofagia, da qual foi diretor durante menos de um ano. Dirigiu também a Revista Hora, em parceria com Mário de Andrade.

Alcântara Machado também foi eleito deputado federal em 1935, mas não assumiu o cargo, pois morreu em 14 de abril do mesmo ano, no Rio de Janeiro, em consequência de complicações de uma cirurgia de apêndice.


1921 — Nasce Jack Steinberger

O físico Jack Steinberger nasceu em 1921, na Alemanha.

Graças a entidades judaicas norte-americanas, conseguiu deixar a Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial, e estabeleceu-se com sua família em Chicago, a partir de 1934. Graduou-se em Química pela Universidade de Chicago em 1942, após enfrentar uma série de dificuldades em tempos de depressão econômica e cortes de bolsas de estudo.

 

Com a entrada dos Estados Unidos na Guerra, ingressou no exército. Nessa instituição, após um curso sobre teoria de ondas eletromagnéticas, foi enviado ao Laboratório de Radiação do Massachusetts Institute of Technology (MIT) para trabalhar no desenvolvimento de equipamentos bélicos de precisão. Os dois anos que lá passou proporcionaram-lhe a oportunidade de conviver com alguns dos físicos mais renomados do país e de fazer cursos na nova área.

 

Após o fim da Guerra, retornou à Universidade de Chicago, agora para desenvolver pesquisas em Física.

Em 1968 associou-se ao Conselho Europeu de Pesquisa Nuclear, Cern. Recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1988, pelo método do feixe de neutrinos, pela descoberta do múon neutrino e pela demonstração dos léptons dobrados.

 

Além da Universidade de Chicago, trabalhou nas Universidades da Califórnia e Columbia e na Scuola Normale Superiore, em Pisa.


1810 — Proclamação da independência da Argentina

A Argentina é considerada uma nação peculiar: combina tradições rurais regionalistas com uma forte herança cultural de seus colonizadores, os europeus. Centro administrativo do país, Buenos Aires é conhecida como a mais europeia das capitais latino-americanas.

Porém, anteriormente, a região integrava o poderoso Império Inca, e os Pampas eram habitados por diversas nações indígenas. Com a chegada dos espanhóis, iniciaram-se atividades econômicas ligadas à mineração e à pecuária.

O desenvolvimento argentino era sustentado pela mineração do Alto Peru, atual Bolívia, e as condições naturais dos Pampas propiciaram a criação de gado, bem como promoveram a formação de uma aristocracia rural. Pela grande movimentação comercial em sua região portuária, Buenos Aires assistiu a um forte crescimento econômico, tornando-se um importante centro no tráfico de importação de produtos importados.

Em 1776, por razões de segurança, foi criado o Vice-Reino do Prata, que tinha sua sede em Buenos Aires e abrangia a Argentina, o Paraguai, o Uruguai e a Bolívia. Com a criação desse vice-reino, a Espanha tentava impedir que outros países, inclusive Portugal, ocupassem a região.

A crise da mineração e a crescente adesão às ideologias europeias, como o Iluminismo e o liberalismo econômico, foram os fatores propulsores para o processo de libertação da Argentina. A independência dos EUA (1776) e a Revolução Francesa (1789) formavam o pano de fundo de um período convulsionado pelos ideais de liberdade e de igualdade, existentes tanto na Europa quanto na América.

Em seu conflito com a Inglaterra, Napoleão Bonaparte invadiu a Espanha e instituiu seu irmão, José Bonaparte, como titular do trono espanhol. A reação foi imediata: tanto na Espanha quanto na América espanhola eclodiram conflitos contra a imposição napoleônica.

Nas colônias, a revolta acabou incentivando processos de emancipação. As atividades econômicas fizeram que Buenos Aires prosperarsse rapidamente; a burguesia portuária, por sua vez, não apenas adotou os hábitos europeus, como também suas ideologias. Dessa forma, coube a Buenos Aires a liderança do movimento.

A independência não tardou, porém, não veio de imediato. O processo iniciou-se em 25 de maio de 1810, com a Revolução de Maio, movimento social e político que pretendia romper os laços coloniais existentes entre a coroa espanhola e o Vice-Reino do Prata.

 

A campanha de libertação foi liderada por Juan de San Martín, que, em 9 de setembro de 1816, proclamou a independência da região.


1963 — Fundação da Organização da Unidade Africana (OUA)

O dia 25 de maio é considerado o Dia da África, em virtude da fundação da Organização da Unidade Africana (OUA), em 1963, em Adis Abeba, na Etiópia. Assinaram o documento de instauração da OUA trinta chefes de Estado africanos. Os principais objetivos da organização relacionavam-se à defesa da independência dos países africanos e dos interesses políticos e sociais dos países membros.

Consta que a origem da OUA está no pan-africanismo, ideia concebida por intelectuais de origem africana dispersos ao redor do mundo, os quais militavam contra o colonialismo marcante do século XIX. Essas manifestações ganharam força a partir da Segunda Guerra Mundial, ocasião em que sentiram a necessidade de libertarem-se definitivamente das decadentes potências europeias. A OUA foi substituída pela Unidade Africana (UA), que tem objetivos mais amplos para o continente, como promover mais saúde e educação.

Nesta data comemorativa da fundação da OUA a humanidade espera que, em breve, as notícias sobre aquele continente sejam melhores, principalmente com relação ao padrão de vida da população africana, assolada por séculos de desmandos econômicos e políticos.