17 de agosto

  • Dia do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Nascimento

Falecimento



1784 — Nasce Padre Diogo Antônio de Feijó

O padre e político Diogo Antônio de Feijó nasceu em São Paulo, em 1784. Abandonado ao nascer, foi criado por uma família pertencente à elite agrária da cidade.

 

Estudou latim e filosofia. Foi ordenado padre em 1805, carreira que seguiu até 1818, quando se mudou para Itu e ingressou na política.

 

Em Lisboa, elegeu-se deputado e logo passou a defender ideias separatistas, fato que o prejudicou perante a Coroa portuguesa. Perseguido, refugiou-se na Inglaterra.

 

De volta ao Brasil, no período pós-independência, engajou-se em um movimento contrário à Constituição de 1824. Eleito deputado por duas legislaturas, combateu a escravidão, o absolutismo e o celibato clerical.

 

Também ocupou o cargo de senador (1833) e de regente único do reino (1835). Considerado inadequado e arrogante para ocupar o tal posição, renunciou em 1837.

 

Antes de morrer, em 10 de novembro de 1843, vítima de parada respiratória, elegeu-se senador no Rio de Janeiro e participou da Revolução Liberal de 1842.


1987 — Morre Carlos Drummond de Andradea

Carlos Drummond de Andrade nasceu em 31 de outubro de 1902, na cidade mineirastrong> strong>destrong> strong>Itabira do Mato Dentro, e faleceu em 17 de agosto de 1987 no Rio de Janeiro. Era filho de fazendeiros e estudou em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro. Iniciou sua carreira de escritor no jornal Diário de Minas, que reunia os adeptos do Movimento Modernista, além de ter fundado com outros escritores uma publicação chamada A Revista.

 

Por seu talento, Drummond foi ganhando fama e espaço até tornar-se um dos mais importantes nomes da literatura brasileira e um dos maiores poetas do mundo.

 

Sua poesia é ampla e variada, tanto na construção gramatical quanto nos assuntos escolhidos. Nosso grande poeta retratou um indivíduo complicado e torturado pelos próprios sentimentos. A terra onde nasceu também foi colocada em poesia, mas seus escritos demonstram tristeza ao falar do local de origem.

 

A família foi outro tema abordado por Drummond, mas nos poemas dedicados a ela não há sentimentalismo, tampouco alegria, transparecendo, na verdade, um questionamento profundo da realidade familiar.

 

Drummond escreveu também sobre outras questões, como o amor, o indivíduo diante de si mesmo e diante dos outros, a própria poesia. A injustiça, a desigualdade, a guerra e o medo também são tópicos desenvolvidos em alguns dos poemas mais famosos desse escritor.

 

Carlos Drummond de Andrade foi um grande poeta do amor. Ele acreditava que esse sentimento é uma forma maravilhosa, mas penosa e sofrida, de conhecimento dos outros, de nós mesmos, do mundo e da vida. Esse conhecimento, para ele, era amargo. Por isso, um dos seus mais importantes poemas sobre esse tema tem no título um trocadilho: Amar-amaro, que significa “amor amargo”.