Você está em: Objetivo / Acontece / Jovens Físicos: alunos do Objetivo representam Brasil na Alemanha

Jovens Físicos: alunos do Objetivo representam Brasil na Alemanha


Estão sendo esperadas 31 delegações, com cerca de 160 estudantes dos cinco continentes. O Brasil já conquistou medalhas de bronze em 2005 e 2006, retomando participação em 2011. Em 2012, novamente se classifica para o mundial

Quatro alunos do Colégio Objetivo formarão a equipe que representará o Brasil no Torneio Internacional de Jovens Físicos (International Young Physicists’ Tournament), que acontecerá na Alemanha, de 20 a 29 de julho de 2012. São eles: João Gabriel Faria e Miranda, Ibraim Rebouças, Liara Guinsberg e Bárbara Cruvinel Santiago.

Dirigido a estudantes do Ensino Médio e tido como um dos mais importantes eventos científicos jovens do planeta, o IYPT realiza-se por meio de equipes que debatem problemas de Física presentes no cotidiano. As questões não têm uma única resposta e são necessários meses de pesquisa para chegar à resolução.

A classificação para o mundial veio com a conquista de medalhas de ouro e prata na edição brasileira do Torneio (IYPT Brasil), ocorrido de 4 a 6 de maio, nos campi da UNIP/Cidade Universitária e USP/Poli. Na ocasião, estiveram presentes 20 equipes vindas de escolas de 15 cidades e sete Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Paraíba e Piauí.

O Colégio Objetivo classificou nada menos que quatro equipes: medalha de ouro para a Zero Kelvin e prata para Gatos de Schrödinger, Ebola e Quantum. Cada um desses times escolheu um dos seus integrantes para compor um grupo único, com vista à participação na Alemanha, onde os debatesacontecerão na língua inglesa.

Segundo Ronaldo Fogo, professor responsável pelas turmas olímpicas de Física do Colégio Objetivo, há vários méritos a considerar na atuação dos alunos neste torneio, pois a competição avalia o domínio da matéria, a oratória e a desenvoltura dos participantes nos Physics Fights. “É preciso ser competente em várias áreas simultaneamente.”

Rumo à Alemanha...

Para chegar à final, as equipes primeiramente enviaram relatórios científicos, contendo a resolução de 5 de 17 problemas em Física (confira as questões em www.iypt.com.br/problemas/2012port.pdf). As soluções foram avaliadas por um júri, que levou em conta os conceitos físicos, a teoria utilizada, a metodologia experimental e a análise dos resultados.

Os 20 melhores relatórios classificaram as equipes para os chamados Physics Fights (PFs), debates queaconteceram emrodadas de 50 minutos, realizados na UNIP. Os times discutiram a resolução de alguns dos problemas previamente selecionados pelo um comitê internacional.
Segundo Márcio Dalla Valle Marino, coordenador-geral da IYPT Brasil 2012, as habilidades avaliadas no IYPT ultrapassam as fronteiras puramente técnicas e atingem campos relacionados ao senso crítico, ao espírito investigativo e ao trabalho colaborativo. “São estimulados os pilares da formação necessária para que a nova geração tenha condições de causar impactos de cunho social, político e tecnológico.”

Conheça um pouco quem são os brasileiros que competirão na IYPT:

João Gabriel Faria e Miranda: 17, 3ª série do Ensino Médio. Estuda no Colégio Objetivo desde o 6º ano do Ensino Fundamental.
Equipe: Zero Kelvin
Problemas resolvidos: Canhão Gaussiano, Corrente de Miçangas, Imã e Moeda, Pica-Pau de Brinquedo e Ondas Brilhantes.
Comentários: “Essa é a minha terceira participação no torneio. No ano passado o time Zero Kelvin conquistou bronze, e agora, na terceira vez, ganhamos o ouro. Para isso, começamos  a nos preparar no final de agosto de 2011. Assim que tivemos acesso aos enunciados dos problemas, começamos a traduzi-los para o Português e a partir disso a resolvê-los. Foram vários meses trabalhando, finais de semana inteiros, feriados, todo dia havia um espaço dedicado ao IYPT.
Espero que nossa equipe traga uma medalha para o País, para mostrarmos que o Brasil é também uma grande potência científica.”

Ibraim Rebouças: 16, 2ª série. Ingressou este ano no Colégio Objetivo.
Equipe: Quantum
Problemas resolvidos: Canhão Gaussiano, Cortando o Ar, Ponte de Fluido, Tachinha e Bolha Ascendente
Comentários: “Nossa equipe começou a se preparar no mês de fevereiro. Reuníamos aos sábados no colégio para discutir as apresentações, realizar experimentos, coletar dados... Foi cansativo, mas recompensador.”

Liara Guinsberg: 16, 2ª série. Estuda no Colégio Objetivo desde 2009.
Equipe: Ebola
Problemas resolvidos: Canhão Gaussiano, Bolha Ascendente, Vidro Embaçado, Garrafa Balançando e Tachinhas.
Comentários: “Iniciamos nosso trabalho no final de março, fazendo diversos experimentos e estudando teorias que poderiam ajudar nas resoluções dos problemas. Além disso, tínhamos de dividir o tempo de estudo com as matérias diárias do Colégio, tendo em vista o vestibular. Acredito que o Brasil terá um ótimo desempenho, já que todos os integrantes do grupo apresentam qualidades indispensáveis para uma competição do alto nível do IYPT, seja em quesitos teóricos e físicos ou em preparo psicológico adequado, essencial para esse torneio.”

Bárbara Cruvinel Santiago: 17, 3ª série. Estuda no Colégio Objetivo desde o 8º ano do Ensino Fundamental.
Equipe: Gatos de Schrödinger
Problemas resolvidos: Canhão Gaussiano, Cortando o Ar, Corrente de Miçangas, Ondas Brilhantes, Pica-Pau de Brinquedo, Ímã e Moeda e Bolha ascendente
Comentários: “Desde 2010 participo do IYPT. Naquele ano consegui medalha de bronze na edição nacional, e em 2011, prata, classificando-me a participar da internacional, que aconteceu no Irã. Em 2012, novamente a prata, que me levará à Alemanha. Sou fascinada pelo IYPT. É uma competição que exige máxima dedicação, e este ano será fantástico. Há dez países participantes a mais do que no ano passado, portanto, imagino que a disputa seja ainda mais acirrada. Em contrapartida, os membros da nossa nova equipe estão muito unidos e prontos para batalhar contra o que for preciso para que consigamos a tão almejada medalha. Representar o Brasil é uma grande responsabilidade, pretendemos mostrar que nós sabemos Física tanto quanto os países mais tradicionais.”